• Plano Pastoral 2016 2017
  • Imagem Pascoa 2018

Pe. Manuel Domingues dos Santos

Breve Biografia

Pe. Manuel Domingues dos Santos

O dia 11 de Abril de 1943 foi um dia especial para Manuel Domingues dos Santos e Augusta Francisca Domingues pois viram, na freguesia de Lavra, concelho de Matosinhos, nascer o Pe. Manuel Domingues dos Santos.

Foi em Lavra que o Pe. Manuel Rodrigues dos Santos aprendeu as primeiras letras na sua escola primária. Foi também nesta freguesia, pelas mãos do Pe. António Francisco Ramos, que recebeu a 1.ª Comunhão e a Profissão de Fé.

Mais tarde, fez exame de admissão no Liceu D. Manuel II no Porto. Actualmente este liceu denomina-se Rodrigues de Freitas. Fez também exame de admissão ao Seminário do Sagrado Coração de Jesus em Vila Nova de Gaia.

Ao longo da sua vida, frequentou o Colégio de Ermesinde, o já dito anteriormente – Seminário do Sagrado Coração de Jesus, o Seminário de Vilar e o Seminário Maior (na Sé).

Terminado o curso em 1968, recebeu ordens menores e o subdiaconado.

O estágio teve o seu lugar em Aldoar – Porto, tendo recebido o diaconado pelas mãos de D. Florentino de Andrade e Silva. O presbiterado aconteceu a 26 de Outubro de 1969 na Sé Catedral do Porto pelo Bispo D. António Ferreira Gomes.
Após a ordenação, até Dezembro do mesmo ano, Aldoar continuou a ser o recanto do Pe. Manuel dos Santos.

Da sua história de vida fazem parte a sua passagem pela paróquia do Bonfim, no Porto, como coadjutor, na qual permaneceu até Junho de 1970.

Nesse mesmo ano, seguiu-se a sua nomeação como pároco de São Miguel de Canelas e São Martinho de Esfinca, no Concelho de Arouca, onde permaneceu por dez anos.

Já em Junho de 1979 viu a sua nomeação recair sobre São Mamede do Coronado e São Cristovão do Muro, à data concelho de Santo Tirso, actual concelho da Trofa. A tomada de posse deu-se a 21 de Outubro de 1979 e vigora até aos dias de hoje.

Entretanto no ano 2000, após a resignação, por motivos de doença e devido à idade avançada, do pároco de Santa Maria de Alvarelhos, concelho da Trofa, assumiu a paroquialidade da mesma até Fevereiro de 2001.

Em 2007 assumiu, após dispensa da paroquialidade do respectivo pároco – Pe. Lucindo Silva – a paróquia de São Romão do Coronado, concelho da Trofa. A nomeação ocorreu a 30 de Julho e a tomada de posse teve lugar a 9 de Setembro.

Leituras do dia

  • Sexta-feira, dia 25 de Maio de 2018 : Carta de S. Tiago 5,9-12.
    Irmãos: Não vos queixeis uns dos outros, a fim de não serdes julgados. Eis que o Juiz está à porta. Irmãos, tomai como modelos de sofrimento e de paciência os profetas, que falaram em nome do Senhor. Nós proclamamos felizes aqueles que foram perseverantes. Ouvistes falar da perseverança de Job e sabeis qual o fim que o Senhor lhe concedeu, porque o Senhor é compassivo e misericordioso. Sobretudo, irmãos, não jureis nem pelo céu nem pela terra, nem por qualquer outra coisa. Seja «sim» o vosso sim e «não» o vosso não, para não vos expordes ao julgamento.
  • Sexta-feira, dia 25 de Maio de 2018 : Livro de Salmos 103(102),1-2.3-4.8-9.11-12.
    Bendiz, ó minha alma, o Senhor, e todo o meu ser bendiga o seu nome santo. Bendiz, ó minha alma, o Senhor e não esqueças nenhum dos seus benefícios. Ele perdoa todos os teus pecados e cura as tuas enfermidades. Salva da morte a tua vida e coroa-te de graça e misericórdia. O Senhor é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade; não está sempre a repreender, nem guarda ressentimento. Como a distância da terra aos céus, assim é grande a sua misericórdia para os que O temem. Como o Oriente dista do Ocidente, assim Ele afasta de nós os nossos pecados.
  • Sexta-feira, dia 25 de Maio de 2018 :
  • Sexta-feira, dia 25 de Maio de 2018 : Evangelho segundo S. Marcos 10,1-12.
    Naquele tempo, Jesus pôs-Se a caminho e foi para o território da Judeia, além do Jordão. Voltou a reunir-se uma grande multidão junto de Jesus e Ele, segundo o seu costume, começou de novo a ensiná-la. Aproximaram-se então de Jesus uns fariseus, que, para O porem à prova, Lhe perguntaram: «Pode um homem repudiar a sua mulher?». Jesus disse-lhes: «Que vos ordenou Moisés?». Eles responderam: «Moisés permitiu que se passasse um certificado de divórcio para se repudiar a mulher». Jesus disse-lhes: «Foi por causa da dureza do vosso coração que ele vos deixou essa lei. Mas, no princípio da criação, "Deus fê-los homem e mulher. Por isso, o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa, e os dois serão uma só carne". Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu». Em casa, os discípulos interrogaram-n’O de novo sobre este assunto. Jesus disse-lhes então: «Quem repudiar a sua mulher e casar com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher repudiar o seu marido e casar com outro, comete adultério».